«

»

jul 13

A Terra vista do espaço: o desaparecimento do mar do Aral

Evolução da retração da costa do Mar do Aral de 2006 a 2009

Evolução da retração da costa do Mar do Aral de 2006 a 2009. Clique na imagem para acessar o site da ESA e ver essa animação de 25 quadros em alta resolução.

Essas imagens do satélite Envisat da ESA (Agência Espacial Européia) ressaltam o dramático avanço da linha costeira do Mar do Aral de 2006 até 2009. O Mar do Aral já foi a quarto maior reservatório de água no mundo, mas ele tem sido consistentemente reduzido de tamanho nos últimos 50 anos, desde que os rios que o alimentam foram desviados para programas de irrigação.

Mar do Aral em 1989 X 2008

Mar do Aral em 1989 X 2008

As etapas da tragédia ecológica

Ao final dos anos 80 o Mar do Aral dividiu-se no Pequeno Mar do Aral (norte), localizado no Cazaquistão, e o Grande Mar do Aral (sul), pertencente ao Cazaquistão e Uzbequistão.

No ano 2000 o Grande Mar do Aral dividiu-se também em dois lóbulos: um à leste e outro à oeste. Como podemos ver nestas imagens o lóbulo situado à leste retraiu-se substancialmente entre 2006 e 2009. Cerca de 80% de sua água foi perdida desde a foto de 2006. Em 2006 o lóbulo leste tinha um tamanho de 150 km de comprimento por 70 km de largura.

A parte sul deverá estar completamente seca até 2020, mas há esforços em andamento para salvar a seção norte.

Quais são medidas para mitigar o problema?

O dique de Kok-Aral, projeto conjunto do Banco Mundial e o governo do Cazaquistão, foi construído entre as seções norte e sul do Mar para evitar que a água fluísse para a seção sul. Como resultado deste empreendimento, o nível de água na seção norte cresceu cerca de 4 metros, desde sua conclusão em 2005.

Com a evaporação do Mar do Aral, ele deixa um legado de 40.000 quilômetros quadrados de terreno seco e salgado, denominado o Deserto de Aral Karakum. Cada ano as tempestades violentas de areia levantam 150.000 toneladas de sal e areia do Aral Karakum e as transportam por centenas de quilômetros, trazendo sérios problemas de saúde para a população local e tornando os invernos regionais mais gelados e os verões mais quentes. Em uma tentativa de mitigar estes efeitos, estão sendo plantados vegetais que conseguem sobreviver em condições salinizadas, no antigo leito do Mar do Aral.

Em 2007, o governo do Cazaquistão obteve novo empréstimo do Banco Mundial para implementar o segundo estágio do programa, que inclui a construção de uma segunda barragem como parte deste esforço para reverter este desastre ambiental provocado pelo homem.

Envisat capturou esta seqüência de imagens de 01 de julho de 2006 até 06 de julho de 2009 atraves do seu equipamento MERIS (Medium Resolution Imaging Spectrometer)  que trabalhou em modo de alta resolução para produzir uma resolução espacial de 300 metros.

Fonte:

ESA: Earth from Space: Declining Aral Sea (imagem da semana)

Veja também:

A Terra vista do espaço: o delta do Ganges e o santuário ecológico Sundarbans

A Terra vista do espaço: plâncton em abundância pinta de azul o mar de Barents

A Terra Vista do Espaço à Noite


2 menções

  1. A Terra vista do espaço: plâncton em abundância pinta de azul o mar de Barents « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] A Terra vista do espaço: o desaparecimento do mar do Aral […]

  2. A Terra vista do espaço: o delta do Ganges e o santuário ecológico Sundarbans « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] A Terra vista do espaço: o desaparecimento do mar do Aral […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!