«

»

abr 30

Buracos negros errantes vagam pela Via-Láctea

Black Hole David Aguilar

Esta concepção artística mostra um buraco negro errante vagando perto de um aglomerado globular de estrelas na periferia da Via Láctea. Crédito: David A. Aguilar (CFA)

Parece enredo de um filme de ficção científica: buracos negros errantes na nossa galáxia ameaçam engolir qualquer coisa nas suas proximidades. Mas o fato é que, segundo os novos cálculos de Ryan O’Leary e Avi Loeb (Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics), centenas desses enormes buracos negros, remanescentes da época da formação das galáxias no início do universo, podem estar vagando pela Via Láctea.

Mas a boa notícia é que a Terra está segura. O mais próximo desses buracos negros errantes deve estar a milhares de anos-luz de distância. Os astrônomos até estão ansiosos para descobri-los, pois eles fornecerão pistas para explicar a formação da Via Láctea.

“Esses buracos negros são relíquias do passado da Via Láctea”, disse Loeb. “Pode-se dizer que nós estamos estudando estas relíquias arqueológicas para aprender sobre a história da nossa galáxia, e a história da formação de buracos negros no início do universo.”

Segundo a teoria, os buracos negros errantes originalmente estavam no centro de galáxias anãs de pouca massa. Durante milhares de anos, estas galáxias anãs colidiram umas com as outras para formar grandes galáxias como a Via Láctea.

Cada vez que duas proto-galáxias com buracos negros centrais colidem, os buracos negros se fundem para formar um único buraco negro “relíquia”. Durante a fusão, a emissão direcional de radiação gravitacional causaria um buraco negro de recuo. Um empurrão típico envia o buraco negro suficientemente rápido para que ele escape de sua galáxia anã mãe, mas não o suficiente para que ele deixe completamente a vizinhança galáctica. Como resultado, estes buracos negros ainda estariam presentes nas imediações do limite exterior do halo da Via Láctea.

Centenas de buracos negros errantes devem estar viajando pela periferia da Via Láctea, cada um contendo de 1.000 a 100.000 massas solares. Seria muito difícil observá-los, dado que os buracos negros por si mesmos só são observados quando estão engolindo, ou expulsando, matéria.

Um sinal revelador poderia indicar um buraco negro errante: um aglomerado de estrelas arrastadas ao redor da galáxia anã de onde o buraco negro escapou. Apenas as estrelas mais próximas do buraco negro haveriam sido arrastadas e por isso o aglomerado seria muito compacto.

Devido ao pequeno tamanho desse aglomerado, ele aparece como uma única estrela no céu, os astrônomos terão que olhar para pistas mais sutis para a sua origem e existência. Por exemplo, o seu espectro irá mostrar que várias estrelas estão presentes, bem como a produção de amplas linhas espectrais. As estrelas do aglomerado teriam que avançar rapidamente, com seus caminhos influenciados pela gravidade do buraco negro.

“As estrelas em torno do aglomerado atua muito como um farol que aponta um recife perigoso”, explicou O’Leary. “Sem essas estrelas brilhando para guiar o nosso caminho, seria impossível encontrar os buracos negros.”

O número de buracos negros errantes na nossa galáxia depende de quantos dos blocos básicos de proto-galáxias continham buracos negros em seus núcleos, bem como se fundiram para formar a Via Láctea. Encontrá-los e estudada-los irá fornecer novas pistas sobre a história de nossa galáxia.

Localizar os aglomerados de estrelas indicadores pode se revelar relativamente simples.

“Até agora, os astrônomos não estavam procurando os aglomerados estelares altamente compactos no halo da Via Láctea”, disse Loeb. “Agora sabemos o que esperar, pois podemos examinar os estudos do céu existentes buscando esta nova classe de objetos”.

O artigo científico de Loeb e O’Leary foi publicado na revista  Monthly Notices of the Royal Astronomical Society e está disponível online em http://arxiv.org/abs/0809.4262.

Fontes e referências

Universe Today: Rogue Black Holes May Wander the Galaxy

Centauri Dreams: Black Holes Wandering the Galaxy?

David A. Aguilar, Christine Pulliam, Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics: Rogue Black Holes May Roam the Milky Way

._._.

0809.4262v2-Star-Clusters-Around-Recoiled-Black-Holes-in-the-Milky-Way-Halo

3 menções

  1. Raio de Schwarzschild de um Buraco Negro: o que significa isso? « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] Descubra então como seria cair num buraco negro? Veja também como buracos negros errantes vagam pela Via – Láctea. […]

  2. Blog de Astronomia do astroPT » Estrelas desgarradas supervelozes podem contar a história da Via Láctea

    […] (Hyperfast Star Ejected from the Large Magellanic Cloud). Também há hipóteses que citam buracos negros errantes vagando pelo espaço. Nossa galáxia, a Via-Láctea, em si, se formou a partir de várias fusões com galáxias anãs. […]

  3. Estrelas desgarradas supervelozes podem contar a história da Via Láctea « Eternos Aprendizes

    […] Buracos negros errantes vagam pela Via-Láctea […]

Deixe uma resposta