«

»

mar 22

Existem outras civilizações? Elas também sonham em viajar para outras estrelas e mundos?

Planeta oceânico orbitando Gliese 581 - Crédito©: Karen Wehrstein

Planeta oceânico orbitando Gliese 581 – Crédito©: Karen Wehrstein {1}

George Dvorsky defende uma forte opinião quanto à ‘hipótese da terra rara’ em seu blog Sentient Developments, referindo-se a esse tema como uma desilusão e contestando os motivos pelos quais a vida na galáxia é provável de ser incomum. O post lembra o livro que deu origem a tudo isso: Rare Earth: Why Complex Life is Uncommon in the Universe (Copernicus, 2000), escrito por Peter Ward e Donald Brownlee. Os autores do livro argumentam que a vida complexa (multicelular) na Terra só foi possível devido a uma incrível cadeia de circunstâncias acidentais. Ward e Brownlee defendem que grande parte da nossa galáxia é composta de ‘zonas mortas’.

O tema é complexo e envolve fatores como o lugar do planeta na zona habitável da galáxia (um assunto controverso), sua órbita em torno da sua estrela, seu tamanho, seus satélites, sua magnetosfera, suas placas tectônicas, e muito mais.

Quem afinal está com a razão?

Vejamos a seguir…

Refinando os cálculos da órbita de Gliese 581 d, descoberto em 2007, os astrônomos confirmaram a sua presença dentro da zona de habitação de Gliese 581, onde a água liquida pode existir. O diagrama acima mostra os planetas do Sistema Solar (na barra superior) comparando suas distancias com os exoplanetas de Gliese 581 (barra inferior). A zona de habitação está representada pela zona azulada, mostrando Gliese 581 d como um planeta dentro da zona de habitação. Crédito: ESO {2}

Refinando os cálculos da órbita de Gliese 581 d, descoberto em 2007, os astrônomos confirmaram a sua presença dentro da zona de habitação de Gliese 581, onde a água liquida pode existir. O diagrama acima mostra os planetas do Sistema Solar (na barra superior) comparando suas distancias com os exoplanetas de Gliese 581 (barra inferior). A zona de habitação está representada pela zona azulada, mostrando Gliese 581 d como um planeta dentro da zona de habitação. Crédito: ESO {2}

Dvorsky assinala o trabalho de Charles Lineweaver, que sugere que a nossa galáxia começou a formar planetas muito antes do Sol “ascender” e também chama a atenção para a ciência exoplanetária, que está descobrindo muitos novos mundos. O ponto que George Dvorsky tem abordado é que a vida teve uma enorme quantidade de tempo para surgir, e que há uma enorme gama de galáxias nas quais ela pôde evoluir.

Vejamos um exemplo marcante dessa discussão sobre a raridade ou não de vida fora da Terra: Gliese 581 c.

 

Gliese 581 c foi o primeiro planeta “parecido com à Terra”, descoberto em 2007 orbitando a estrela vermelha Gliese 581. Está apenas 20 anos luz distante da Terra, tem um diâmetro de 1,5 vezes o diâmetro da Terra, é suspeito de ter água e atmosfera, e sua temperatura vária entre 0 e 40 graus Celsius.

Se nós somos um em um bilhão, e considerando que existem apenas 0,004 estrelas por anos luz cúbicos, quais as chances de ter um planeta parecido com a Terra em meros 20 anos luz de distância?

Atualmente Gliese 581 c é geralmente considerado muito próximo de sua estrela para ser habitável  (assim como Vênus está para o Sol e é o planeta mais quente do sistema solar, com um efeito estufa descontrolado). Mas outro planeta do sistema Gliese 581 é uma melhor aposta: Gliese 581 d, que se apresenta no limite da borda da zona habitável (assim como Marte está para o Sol mas Gliese 581 d é uma super-Terra e provavelmente possui uma densa atmosfera,  magnetosfera e possivelmente água em abundância), e talvez seja melhor para especular sobre vida do que Gliese 581 c, que agora nos parece ser um verdadeiro inferno. Mas nenhum desses dois mundos massivos, chamados de super-Terras, é verdadeiramente parecido com a Terra, e a questão sobre vida fora da Terra precisa aguardar mais dados para ser resolvida. Um trabalho recente de Brian Jackson, Richard Greenberg e Rory Barnes, sugere que o aquecimento de maré em Gliese 581 c pode ser três vezes maior do que aquilo que vemos em Io, e isso não é um bom sinal.

Uma lua extrasolar ou exolua oceânica orbitando um exoplaneta gigante gasoso. Crédito: Ray Lustig {3}

Uma lua extrasolar ou exolua oceânica orbitando um exoplaneta gigante gasoso. Crédito: Ray Lustig {3}

Não temos ainda uma boa leitura para saber quanto habitável é um exoplaneta ou uma exolua, ou se a Terra é rara. Afinal, Peter Ward e Donald Brownlee podem estar certos? Ainda não sabemos! Neste momento faltam dados suficientes para comprovação da tese.

Alan Boss, autor do recente The Crowded Universe: The Search for Living Planets, vê como incrivelmente comuns Terras presentes no universo. Boss fez essa espantosa declaração: “… cada estrela do tipo do Sol provavelmente tem planetas parecidos com a Terra, ou algo muito próximo a isto”.

Mas e a questão: Existem outras civilizações? Elas também sonham em viajar para as estrelas ou mundos?

alien-contact

Temos que aguardar os resultados de nossas explorações. Talvez um dia os sucessores do telescópio espacial Kepler registrem a assinatura espectroscópica de um mundo vivo, seja ele um exoplaneta ou uma enorme exolua orbitando um exoplaneta gigante…

Fontes e referências:

Gliese 581 d pode ser um exoplaneta oceânico

Centauri Dreams: Rare Earth? Not Enough Data to Know

Centauri Dreams: Habitable Zones Around Gliese 581

Physorg.com News  : Gliese 581: one planet might indeed be habitable

Portal do Astrônomo: Da Terra Rara a Xenobiologia

SolStation.com: Stars and Habitable Planets

Micro/Macro (Marcelo Gleiser): Terra Rara

O paradoxo de Fermi foi recalculado. Quantas civilizações podem haver na nossa galáxia?

O paradoxo de Fermi

{1} APOD: O sol de Gliese 581 c por Karen Wehrstein

{2} ESO: Lightest exoplanet yet discovered

{3} Hubbleart: “Universal Sea” por Ray Lustig

ξΥξ


4 comentários

5 menções

Pular para o formulário de comentário

  1. εyε

    Parabéns pelo extenso trabalho de pesquisa em “Quais são os métodos propostos para detecção de exoluas?”
    ( http://eternosaprendizes.com/2009/04/03/metodos-propostos-para-deteccao-de-exoluas/ ), você nos deu informações valiosas. Presenteie-nos mais vezes com posts excelentes como este.

    Saudações,

    ξΥξ

  2. roamara

    Em breve estaremos detectando luas extra-solares orbitando planetas jovianos gigantes dentro da zona de habitação de estrelas próximas… Essas exoluas podem ter dimensões da Terra ou de Vênus…

    Quais são os métodos propostos para detecção de exoluas?
    http://eternosaprendizes.com/2009/04/03/metodos-propostos-para-deteccao-de-exoluas/

    Centauri Dreams fala em um desses métodos…
    Direct Imaging of Nearby Planets
    http://www.centauri-dreams.org/?p=7043

  3. εyε

    Alessandro,

    Até agora, com a tecnologia disponível, há provas claras de um número significativo de três tipos de exoplanetas (exoplanetas – planetas fora do Sistema Solar); gigantes gasosos (tipo Júpiter e Saturno), super-Terras (planetas com massa superior a massa da Terra, podendo variar de 1 a 10 massas terrestres), e gigantes de gelo, que estão afastados de suas estrelas e por essa razão são muito frios.

    Para tentar expandir este quadro, a NASA recentemente colocou em órbita o telescópio espacial Kepler, que visa encontrar exoplanetas com diâmetros próximos ao diâmetro da Terra, e o grande objetivo é encontrá-los nas zonas habitáveis de suas estrelas.

    http://kepler.nasa.gov/

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Sonda_Kepler

    O telescópio espacial Kepler na realidade está preparando o terreno para o Terrestrial Planet Finder, (em português – Descobridor de Planetas Terrestres), outro equipamento da NASA, que será capaz de estudar todos os aspectos de um exoplaneta, a partir de sua formação e desenvolvimento no disco de poeira e gás em torno de sua estrela, e analisar a atmosfera química através da quantidade de gases como o dióxido de carbono, vapor d’água, ozônio e metano, para descobrir se o exoplaneta algum dia pôde abrigar ou mesmo agora abriga vida.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Terrestrial_Planet_Finder

    A ESA tem uma missão similar à missão Terrestrial Planet Finder, trata-se da missão Darwin.

    http://www.esa.int/esaSC/120382_index_0_m.html

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Sonda_Darwin

    Você tem acesso a muitas informações sobre os exoplanetas na Enciclopédia dos Planetas Extra-solares, abaixo o link.

    http://exoplanet.eu/index.php

    Obrigado por nos prestigiar.

    ξΥξ

  4. alessandro

    gostei da informação, mas gostaria de saber mais sobre este assunto de planetas compativeis com a Terra e de possivel vida neles.
    obrigado

  1. Há vida em outros planetas? » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] Existem outras civilizações? Elas também sonham em viajar para outras estrelas e mundos? […]

  2. Blog de Astronomia do astroPT » Paradoxo de Fermi: qual o impacto da expansão e colaboração entre civilizações alienígenas?

    […] Existem outras civilizações? Elas também sonham em viajar para outras estrelas e mundos? […]

  3. Blog de Astronomia do astroPT » Podem as Super Terras serem superiores para hospedar a vida?

    […] os alienígenas inteligentes das Super Terras decidirem investigar a Terra para ver se um mundo tão pequeno conseguiria suportar a vida, eles teriam uma maior dificuldade […]

  4. Podem as Super Terras serem superiores para hospedar a vida? « Eternos Aprendizes

    […] os alienígenas inteligentes das Super Terras decidirem investigar a Terra para ver se um mundo tão pequeno conseguiria suportar a vida, eles teriam uma maior dificuldade […]

  5. Estarão as civilizações galácticas em ilhas isoladas de um vasto oceano interestelar? « Eternos Aprendizes

    […] Existem outras civilizações? Elas também sonham em viajar para outras estrelas e mundos? […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!