«

»

out 28

Epsilon Eridani, a estrela irmã do Sol, tem 3 anéis

Os astrônomos descobriram que a famosa estrela Épsilon Eridani, uma das estrelas mais próximas da Terra, contém um tríplice sistema de anéis, ou seja, dois cinturões internos de asteróides e um anel externo de gelo e cometas. O cinturão interno de asteróides é virtualmente um irmão gêmeo do cinturão de asteróides do nosso Sistema Solar enquanto que o outro cinturão externo possui 20 vezes mais massa. Além disso, a presença desses três anéis implica certamente na presença de planetas ainda não detectados confinados entre os mesmos. Esses supostos planetas limparam suas órbitas e delimitaram os formatos desses três cinturões.

Epsilon Eridani - Esse desenho mostra o sistema planetário mais próximo do nosso Sistema Solar. NASA/JPL-Caltech

Epsilon Eridani – Esse desenho mostra o sistema planetário mais próximo do nosso Sistema Solar. NASA/JPL-Caltech

A estrela Épsilon Eridani é ligeiramente menor e mais fria que o Sol. Épsilon Eridani é a nona estrela mais próxima do Sol e é visível a olho-nú, na constelação de Eridanus, 10,5 anos-luz de distância da Terra e portanto a estrela mais próxima com sistema planetário confirmado. Trata-se de uma estrela jovem em relação ao Sol com aproximadamente 850 milhões de anos de idade (o nosso Sistema Solar tem mais de 4,5 bilhões de anos). Comparando os dois sistemas nota-se que Épsilon Eridani tem semelhanças notáveis com o Sistema Solar quando imaginamos o mesmo com menos de 1 bilhão de anos de idade.

Comparação do tamanho e cor de Épsilon Eridani (à esquerda) e o Sol (à direita)

Comparação do tamanho e cor de Épsilon Eridani (à esquerda) e o Sol (à direita)

Conforme afirmou o astrônomo Massimo Marengo do Instituto Smithsonian “Estudar Épsilon Eridani é como ter uma ‘máquina-do-tempo’ para olhar o nosso Sistema Solar quando esse era jovem.”. Marengo é co-autor do artigo que relata a descoberta desse sistema de três anéis. Esse artigo será publicado em janeiro/2009 no “Astrophysical Journal”.

Dana Backman do Instituto SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence Institute) disse que “Esse sistema provavelmente se parece muito como era o nosso sistema quando a vida apareceu começou a ser firmar na Terra”.

Nosso Sistema Solar tem um cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter. A massa total do cinturão é cerca de 1/20 da massa da Lua. Usando o telescópio Spitzer da NASA o time de astrônomos encontrou um cinturão de asteróides idêntico orbitando Épsilon Eridani.

Esse diagrama artístico compara o system Épsilon Eridani com o Sistema Solar. Os sistemas foram estruturados de forma similar e ambos contém asteróides (marrom), cometas (azul) e planetas (pontos brancos). Crédito: NASA/JPL-Caltech

Esse diagrama artístico compara o system Épsilon Eridani com o Sistema Solar. Os sistemas foram estruturados de forma similar e ambos contém asteróides (marrom), cometas (azul) e planetas (pontos brancos). Crédito: NASA/JPL-Caltech

O segundo anel de asteróides descoberto pelos astrônomos em Épsilon Eridani fica em posição equivalente a de Urano no Sistema Solar. O segundo cinturão contém tanta massa como a Lua (20 vezes mais que o primeiro cinturão, mais próximo de Épsilon Eridani).

Concepção artística do exoplaneta Epsilon Eridani b que limpou a sua órbita {1}

Concepção artística do exoplaneta Epsilon Eridani b que limpou a sua órbita {1}

O terceiro anel, com material congelado, que já havia sido previamente detectado se estende de 35 a 100 UA de distância de Épsilon Eridani. No Sistema Solar existe o cinturão equivalente, chamado Cinturão de Kuiper. Por outro lado o cinturão gelado de Épsilon Eridani é 100 vezes mais massivo que o cinturão de Kuiper.

Os cientistas calculam que quando o Sol tinha 850 milhões de anos de idade o Cinturão de Kuiper se mostrava muito parecido com o cinturão gelado de Épsilon Eridani. Desde então grande parte do Cinturão de Kuiper foi eliminado, parte foi expulsa do Sistema Solar e parte foi absorvida pelos planetas interiores no evento chamado LHB – “Late Heavy Bombadment” (Bombardeamento Planetário Posterior). A Lua mostra evidências do LHB: largas crateras que formaram os ‘mares lunares’ de lava. É provável que os planetas de Épsilon Eridani irão sofrer esse fenômeno dramático de ‘bombardeamento’ em breve.

Como disse Marengo: “Épsilon Eridani lembra muito o nosso Sistema Solar quando era jovem, dessa forma é compreensível que o sistema terá uma evolução similar”.

O telescópio Spitzer mostra espaços vazios entre os três anéis encontrados. Esses espaços vazios são explicados pela potencial presença de exoplanetas que através de sua influência gravitacional moldaram os anéis assim como as luas de Saturno fizeram em relação aos anéis de Saturno.

Marengo lembrou que “a presença de exoplanetas em Épsilon Eridani é a maneira mais fácil de explicar o que estamos observando por lá”.

Especificamente, três planetas com massas entre as de Netuno e Júpiter se encaixariam nesse ‘espaço vazio’. O estudo das velocidades radiais já detectou um candidato a planeta perto no anel interno. Essas análises sugerem que esse exoplaneta orbita Épsilon Eridani em uma órbita elíptica com forte excentricidade estimada em 0,7. As novas descobertas sugerem tal órbita uma vez que o suposto planeta já deveria ter varrido e limpo uma faixa do cinturão interno de asteróides há algum tempo através da sua influência gravitacional.

Um segundo exoplaneta deve estar rondando perto do segundo cinturão de asteróides e um terceiro deve surgir a cerca de 35 UA, próximo da borda interior do cinturão gelado (equivalente ao nosso Cinturão de Kuiper) de Épsilon Eridani. Estudos futuros provavelmente irão detectar esses mundos ainda não encontrados assim como outros exoplanetas telúricos que podem estar orbitando dentro do cinturão interno de asteróides.

Fontes e referências

{1} Print Layout: Artist’s concept of nearest extrasolar planet to our Solar System por Greg Bacon, Benedict et al, STScI, ESA, NASA

Space.com: Nearby Star Hosts Three-Ring Circus por Jeanna Bryner

Épsilon Eridani analisado pelo SolStation.com

Kaler – Stars: Épsilon Eridani

Astronomy.com: Solar system’s young twin has two asteroid belts – This nearby star is a triple-ring system Provided by the Harvard-Smithsonian CfA

NASA,APOD: Épsilon Eridani e Órion no céu noturno

._._.

2 comentários

5 menções

  1. Aristides Souza Mautone Júnior

    Oi, Hi, Hola,

    a velocidade da luz só pode ser alcançada do espaço, fora do planeta terra! ou de algum lugar que não tenha oxigênio se não pega fogo em tudo.

    1. ROCA

      Aristides,
      O que você quer dizer com tal afirmação? Pega fogo onde? Do que você está falando? Não entendemos a sua mensagem… O que tem isso a ver com Epsilon Eridani?

      1- A velocidade máxima da luz é atingida no vácuo. O vácuo pode ser obtido também em laboratórios, aqui na Terra, sem problemas.
      2- Para termos o fogo temos que ter o combustível e o comburente (Oxigênio). Sem combustível não há fogo. O Oxigênio sozinho não tem com o que reagir se não há um elemento combustível.

  1. O observatório aéreo SOFIA confirma que o Sistema Planetário vizinho em Espsilon Eridani é similar ao nosso » O Universo - Eternos Aprendizes

    […] Estudos prévios indicaram que Epsilon Eridani tem um disco de detritos, nome que os astrônomos dão a material remanescente que ainda está em órbita de uma estrela após a construção planetária ter terminado. Os detritos podem assumir a forma de gás e poeira, bem como pequenos corpos rochosos e gelados. Os discos de detritos podem ser contínuos e largos ou concentrados em cinturões de detritos, semelhantes ao cinturão principal de asteroides (entre Marte e Júpiter) em nosso Sistema Solar e ao Cinturão de Kuiper, a região além da órbita de Netuno onde residem centenas de milhares de objetos rochosos. Além disso, medições sensíveis do movimento de Epsilon Eridani indicam que um exoplaneta com quase a massa de Júpiter orbita a estrela a uma distância comparável à do nosso gigante gasoso em relação ao Sol. […]

  2. Cometas não só podem aniquilar a vida, mas também impedir que ela apareça! « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] Muitos dos cometas no nosso sistema Solar estão no Cinturão Kuiper, um disco cheio de detritos que se estende desde a órbita de Netuno (30 UA) para quase duas vezes o superior a essa distância. Outras estrelas têm mostrado discos de detritos semelhantes a esse. Um exemplo disso é Epsilon Eridani, estrela gêmea do Sol a 10 anos-luz da Terra, que é um sistema jovem que possui três anéis. […]

  3. Os quatro sóis do sistema HD 98800 « O Universo – Eternos Aprendizes

    […] freqüentemente encontradas com um ou mais estrelas parceiras. Estrelas solitárias como o Sol ou Epsilon Eridani são mais raras de serem encontradas. Por outro lado poucos sistemas quádruplos com cinturões de […]

  4. Estarão as civilizações galácticas em ilhas isoladas de um vasto oceano interestelar? « Eternos Aprendizes

    […] mostrar a importância da comunicação. Vamos supor que nós terráqueos consigamos estabelecer em Epsilon Eridani, que dista 10,5 anos-luz da Terra, uma colônia promissora. A colônia consegue se estabelecer com […]

  5. Cometas não só podem aniquilar a vida, mas também impedir que ela apareça! « Eternos Aprendizes

    […] Muitos dos cometas no nosso sistema Solar estão no Cinturão Kuiper, um disco cheio de detritos que se estende desde a órbita de Netuno (30 UA) para quase duas vezes o superior a essa distância. Outras estrelas têm mostrado discos de detritos semelhantes a esse. Um exemplo disso é Epsilon Eridani, estrela gêmea do Sol a 10 anos-luz da Terra, que é um sistema jovem que possui três anéis. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

error: Esse blog é protegido!