maio 28

NGC 3372: a Grande Nebulosa Carina por Peter Ward

http://apod.nasa.gov/apod/image/1605/Trumpler14c_ward.jpg

NGC 3372 – A Grande Nebulosa Carina por Peter Ward

A Grande Nebulosa Carina é uma joia dos céus do hemisfério sul, catalogada como NGC 3372, se espalha por 300 anos luz, consistindo em uma das mais relevantes regiões de formação estelar em nossa galáxia.

Leia mais »

maio 28

28 de maio de 1959: a missão dos macacos espaciais celebra aniversário

space-monkey-tube-540-miss-baker-nasa

Miss Baker, um macaco-esquilo fêmea, está enclausurada em sua cápsula e pronta para ser enviada para viajar a bordo do foguete da classe Júpiter. Ela viajou pelo espaço em 28 de maio de 1959 acompanhada de Able, um macaco rhesus que nasceu nos EUA

28 de maio de 1959

Não Há Dia Sem História

Macacos Espaciais

A imagem à esquerda não é um astronauta primata do “Planeta dos Macacos“. Essa é, de fato, imagem de um verdadeiro macaco espacial.

Em 28 de maio de 1959, há 57 anos, um macaco rhesus chamado Able e um macaco-esquilo fêmea chamada Miss Baker tornaram-se os primeiros ‘astronautas’ a sobreviver e retornar do espaço.

Hoje celebramos o aniversário do primeiro voo no espaço bem sucedido com seres vivos.

Embora não tenham sido os primeiros animais lançados no espaço, Able e Baker ajudaram a trilhar o caminho para os vôos espaciais tripulados humanos, dois anos após,  mostrando que primatas podem sobreviver aos rigores do lançamento e retorno de uma espaçonave. Seus sinais vitais foram monitorados durante a missão, dando aos cientistas um melhor entendimento do estresse que a jornada espacial inflige em um corpo vivo.

Lançada a bordo do foguete AM-18 Júpiter, Able e Baker voaram a uma altura de aproximadamente 580 quilômetros e viajaram uma distância de 2.750 quilômetros desde a plataforma de lançamento no Cabo Canaveral, Eastern Space Missile Center, na Flórida até seu destino, em alto mar.

A cápsula com os símios espaciais retornou a Terra pousando no oceano e foi recuperada por um navio da marinha americana comandado por Joseph Guion.

O comandante Guion contou a NASA, na ocasião do resgate: “Tão logo retiramos a cápsula da água do mar, ela começou a balançar. O navio estava girando e a cápsula balançava para frente e para trás. Eu estava esperançoso que ninguém se ferisse… Nós ainda não sabíamos se os macacos estavam vivos, pois não tínhamos os dados de telemetria. E assim um dos técnicos correu e conectou o cone e disse, ‘Eles estão vivos!’. Então todos gritamos ‘Yay!’ e finalmente pude dizer ‘Ah! Podemos relaxar'”.

O vôo inteiro durou apenas 15 minutos, e durante 9 minutos os dois mini-astronautas experimentaram a ‘falta de peso’. Após a recuperação da sua cápsula, os macacos foram mantidos relaxados em um quarto especial com ar-condicionado no navio. A seguir foram levados para Washington, D.C. para uma conferência de imprensa.

No vídeo abaixo temos o documentário mostrando os macacos sendo preparados para a missão, o lançamento, o resgate dos macacos e a apresentação deles na conferência com a imprensa [ “Able and Baker blast off, from Universal News 1959” ].

Leia mais »

maio 28

28 de maio de 1940 – O dia em que a América ignorou Goddard

Não Há Dia Sem História

28 de maio de 1940

O dia em que a América ignorou Goddard

Dr Goddard

Dr. Robert H. Goddard

No dia 28 de maio de 1940, há setenta e seis anos, em uma reunião organizada pelo diplomata Harry Guggenheim (1890-1971) à qual compareceram representantes do exército, corpo armado aéreo e escritório da aviação naval dos Estados Unidos, o professor de física e inventor do foguete, Robert Goddard, ofereceu, segundo registra o NASA History Division, todos os dados de suas pesquisas, patentes e instalações para utilização pelos serviços militares.

Não se tem informação dos detalhes da proposta, mas é óbvio que Goddart e Guggenheim estavam conscientes da importância do foguete, e dos experimentos de Goddard, na guerra e no futuro da ciência. Os serviços militares rejeitaram a oferta – num equívoco inacreditável – mantendo apenas um eventual interesse em possíveis experiências com uso de foguetes em aeronaves.

Leia mais »

maio 27

NGC 5078, NGC 5101 & IC 879 por Dietmar Hager e Eric Benson

http://apod.nasa.gov/apod/image/1605/NGC5078-LRGBhager2048.jpg

NGC 5078, NGC 5101 & IC 879 por Dietmar Hager e Eric Benson

Essa precisa visão telescópica mostra duas brilhantes galáxias, a espiral barrada NGC 5101 (ao topo e à direita) e o sistema perfilado NGC 5078 (embaixo e à esquerda), separados nos céus por cerca de 0,5 graus (o diâmetro aparente de uma Lua Cheia).

Encontradas nas fronteiras da constelação de Hidra, estima-se que ambas estejam a cerce da 90 milhões de anos luz de distância e tenha tamanhos similares ao da nossa galáxia Via Láctea.

Leia mais »

maio 27

27 de maio de 1931 – Auguste Piccard: um físico insano, mas um aventureiro sensato

Não Há Dia Sem História

27 de maio de 1931

Auguste Piccard: um físico insano, mas um aventureiro sensato

No dia 27 de maio de 1931, há 85 anos, Auguste Piccard, com seu sócio Paul Kipfer, completaram o primeiro voo tripulado em balão à estratosfera, desprendendo-se de Augsberg, Alemanha.

Auguste Piccard e Paul Kipfer levantam vôo em 1931 para estabelecer um recorde

Auguste Piccard e Paul Kipfer levantam vôo em 1931 para estabelecer um recorde

Auguste Piccard (1884-1962) foi um explorador suíço que investigou tanto a estratosfera quanto as profundezas do oceano. Nascido em Basel, na Suíça, e educado na Escola Politécnica Federal, tornou-se professor de Física na Universidade de Bruxelas em 1922. No voo de 27 de maio de 1931, Piccard e Paul Kipfer (1900-1949) estabeleceram um novo recorde de altitude de 51.961 pés (15.838 metros). Para este voo, ele projetou a primeira cabine pressurizada, feita de alumínio. Durante o voo, Piccard reuniu informações valiosas sobre a intensidade dos raios cósmicos na estratosfera e também gravou uma vasta gama de temperaturas na estratosfera. Em 1932, Piccard e Max Cosyns subiram a uma altitude de 53.139 pés (16.197 metros). Piccard fez um total de 27 vôos, antes de voltar-se para a exploração do fundo do oceano.

Leia mais »

maio 26

IC 5067 na Nebulosa do Pelicano por Roberto Colombari

http://apod.nasa.gov/apod/image/1605/PelicanIC5067close_colombari_q100_watermark.jpg

IC 5067 dentro da Nebulosa do Pelicano – crédito da imagem©: Dados – Subaru Telescope (NAOJ), R. Colombari, Processamento – Roberto Colombari

Esse proeminente cume de emissão apresentado nessa precisa e colorida paisagem cósmica está catalogado como a nebulosa IC 5067.

Parte de uma nebulosa de emissão de maior porte com uma forma distinta, popularmente chamado de Nebulosa do Pelicano, o cume IC 5067 se estende por cerca de 10 anos luz, seguindo a curva da cabeça e pescoço de um pelicano cósmico.

Leia mais »

maio 26

26 de maio de 1970 – Tupolev TU 144 atinge velocidade duas vezes superior a do som

Não Há Dia Sem História

26 de maio de 1970

Tupolev TU 144 atinge velocidade duas vezes superior a do som

No dia 26 de maio de 1970, há quarenta e seis anos, um Tupolev TU 144 superou, como primeiro avião comercial do mundo, a velocidade Mach 2 (2.600 quilômetros por hora), a pouco mais de 17 mil metros de altitude. Foi um recorde de velocidade e permanece entre as maiores velocidades atingidas dentro da atmosfera por aviões comerciais impulsionados a turbina.

Concorde e Tupolev TU-144 expostos no topo do Auto- und Technikmuseu Sinsheim

Concorde e Tupolev TU-144 expostos no topo do Auto- und Technikmuseu Sinsheim

 

Leia mais »

maio 25

Como é dentro de um detector de antineutrinos?

Por que há mais matéria que antimatéria no Universo?

http://apod.nasa.gov/apod/image/1605/Inside_DayaBay_1000.jpg

Detector ‘Dava Bay’ de antineutrinos – Crédito da imagem©: DOE, Berkeley Lab – Roy Kaltschmidt

Para melhor entender esse enigma da física básica, os departamentos de energia tanto da China quanto dos EUA lideraram a criação do caçador de neutrinos, o Reator de ‘Dava Bay’ (Daya Bay Reactor Neutrino Experiment).

Localizados sob espessa camada de rochas, cerca de 50 km ao nordeste de Hong KongChina, oito detectores ‘Daya Bay’ monitoram os antineutrinos emitidos por seis reatores nucleares próximos.

Leia mais »

maio 25

25 de maio de 1960 – Projeto de nave multi-tripulada

Não Há Dia Sem História

25 de maio de 1960

Projeto de nave multi-tripulada

Em 1960, a nave Apollo ainda era só uma conjectura e havia outras propostas, como estes diagramas

Em 1960, a nave Apollo ainda era só uma conjectura e havia outras propostas, como estes diagramas.

No dia 25 de maio de 1960, há cinqüenta e seis anos, o Space Task Group (STG, Grupo de trabalho do espaço) da NASA (fundado em 29 de julho de 1958), convocava os integrantes da equipe executiva que ficaria encarregada de desenvolver um projeto de nave espacial multi-tripulada.

Leia mais »

maio 24

Sequência de imagens do Chandra (raios-X) e do VLA (rádio) capturam a expansão do remanescente de supernova de Tycho de 1572

http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/tycho-xray-crunched.gif

Remanescente de supernova de Tycho. Créditos: em raios-X: NASA/CXC/BSFC/B. Williams et al; no visível: DSS; no rádio – NSF/NRAO/VLA

Em 1572, a estrela que explodiu para criar esta nebulosa remanescente de supernova foi tão luminosa que era observada durante o dia. O astrônomo dinamarquês Tycho Brahe escreveu um livro sobre as suas extensas observações desse notável evento e por isso, em sua honra, a supernova de 1572 ganhou o seu nome.

Nos tempos modernos, os astrônomos têm observado o campo de escombros remanescente desta explosão, o que é hoje conhecido como “remanescente de supernova de Tycho”, usando dados do Observatório de Raios-X Chandra da NASA, do VLA (Karl G. Jansky Very Large Array) e muitos outros telescópios. Hoje, sabemos que o remanescente de Tycho foi criado pela explosão de uma anã branca, tornando-se parte da chamada classe de supernovas do Tipo Ia, aquelas supernovas que são usadas como ‘velas padrão’ para acompanhar a expansão do Universo.

Leia mais »

Posts mais antigos «