jun 29

Assista o trailer da Missão Juno que irá explorar Júpiter

O que encontrará a espaçonave robótica JUNO da NASA quando chegar a Júpiter na próxima segunda-feira, 4 de julho de 2016?

Missão JUNO trailer vídeo NASA

Muito pouco (!) se Juno não sobreviver a inserção na órbita de Júpiter, uma complexa série de operações em um ambiente desconhecido logo acima das nuvens de topo do planeta gigante gasoso.

No entanto, se a manobra for bem-sucedida, conforme explicado no vídeo em destaque abaixo, Juno irá dar uma volta em torno de Júpiter, explorando áreas jamais atingidas por missões anteriores.

Leia mais »

jun 28

ESO: Imagens de Júpiter feitas pelo VLT apresentadas alguns dias antes da chegada da sonda Juno

Júpiter espera a chegada de Juno

https://cdn.eso.org/images/large/eso1623a.jpg

Em preparação da chegada iminente da sonda Juno da NASA em julho de 2016, astrônomos usaram o Very Large Telescope do ESO para obter imagens de Júpiter no infravermelho com o instrumento VISIR, no âmbito de uma campanha para criar mapas de alta resolução do planeta gigante. Estas observações ajudarão a definir o trabalho a realizar pela sonda Juno nos próximos meses, dando aos astrônomos uma melhor compreensão do gigante gasoso. Esta imagem de cores falsas foi criada a partir da combinação das melhores imagens obtidas por muitas exposições curtas do VISIR no comprimento de onda de 5 micrômetros. Crédito: ESO/L. Fletcher

Em preparação para a chegada iminente da sonda Juno da NASA, astrônomos usaram o Very Large Telescope do ESO para obter imagens de Júpiter no infravermelho, no âmbito de uma campanha para criar mapas de alta resolução do planeta gigante. Estas observações ajudarão a definir o trabalho a realizar pela sonda Juno nos próximos meses, dando aos astrônomos uma melhor compreensão do gigante gasoso antes do encontro com Juno.

Leia mais »

jun 27

Kepler: a missão K2 descobriu exoplaneta recém-nascido formado em volta de estrela jovem

Quando um exoplaneta passa em frente da sua estrela hospedeira, o objeto bloqueia uma pequena parte da luz estelar. Observando a diminuição do brilho estelar, em um evento que os astrônomos chamam de ‘trânsito’, e monitorando de forma contínua o comportamento da estrela os astrônomos conseguem detectar planetas fora do Sistema Solar com um alto grau de confiabilidade. K2-33b é um exoplaneta ligeiramente maior que Netuno e orbita uma estrela com 5 a 10 milhões de anos de idade. Além do exoplaneta recém descoberto a estrela abriga um disco de escombros, visto como um anel brilhante circundando o astro principal.

http://www.nasa.gov/sites/default/files/thumbnails/image/pia20690_-_main.jpg

K2-33b, ilustrado aqui, é um dos mais jovens exoplanetas já detectados até hoje. K2-33b completa uma órbita em torno da sua estrela hospedeira a cada 5 dias. Créditos: NASA/JPL-Caltech

Assim, os astrônomos descobriram o mais novo exoplaneta totalmente formado já detectado. A descoberta foi feita usando o Telescópio Espacial Kepler da NASA durante sua missão estendida K2, contando com a ajuda do Observatório W. M. Keck em Mauna Kea, Havaí.

O exoplaneta K2-33b completa uma órbita em torno da sua estrela hospedeira a cada cinco dias. Dada sua pouca idade, K2-33b consiste em um dos poucos exoplanetas recém-nascidos já encontrados até à data.

Leia mais »

jun 26

Imagem das nuvens jovianas capturadas pela New Horizons e a chegada de Juno em Júpiter se aproxima

http://apod.nasa.gov/apod/image/1606/jupiterclouds_newhorizons_1843.jpg

Nuvens jovianas capturadas pela espaçonave New Horizons no flyby de 2007, uma etapa necessária para obter assistência gravitacional de Júpiter na sua longa jornada para Plutão – créditos: NASA, Johns Hopkins U. APL, SWRI

A sonda especial robótica New Horizons capturou algumas imagens impressionantes de Júpiter na sua jornada em direção de Plutão.

Famoso por sua Grande Mancha Vermelha, Júpiter é também conhecido por suas regulares faixas de nuvens equatoriais, as quais são visíveis mesmo através de telescópios de pequeno porte.

imagem em destaque, comprimida horizontalmente foi capturada em 2007 perto do terminador de Júpiter e mostra a grande diversidade joviana de padrões de nuvens.

Leia mais »

jun 25

O nascer da Lua desde o vermelho, cor-de-mel até o amarelo pálido por Trevor Mahlmann

http://apod.nasa.gov/apod/image/1606/Jun21-2016-FullBlend2048.jpg

Nascer da Lua em 21 de junho de 2016 em Indiana, EUA – crédito da imagem©: Trevor Mahlmann

Perto do horizonte a Lua Cheia em geral parece bem maior a olho nu, devido a famosa ‘ilusão da Lua’.

No entanto essa sequência de imagens demonstra que o tamanho aparente da Lua não muda em nada à medida que o nosso satélite natural sobe na direção do zênite.

Em contrapartida a cor da Lua muda sensivelmente. Registrando um quadro a cada 10 segundos, essa composição mostra quão radical essa mudança de cor pode ser.

O astrofotógrafo Trevor Mahlmann seguiu durante o último solstício (21/06/2016) a Lua Cheia escalando o rugoso horizonte sobre o noroeste de Indiana, EUA.

A luz lunar, distorcida pela densa e poeirenta atmosfera terrestre modifica o brilho desde o vermelho do morango passando pelos tons de mel até o amarelo pálido. Essas mudanças são consistentes com uma Lua Cheia no hemisfério norte durante o mês de junho, também popularmente conhecida como a Lua de Morango e também como a Lua de Mel.

Fonte – APOD: Strawberry to Honey Moonrise – crédito da imagem©: Trevor Mahlmann

._._.

jun 24

NGC 4321: a majestosa galáxia espiral M100 capturada pelo Hubble e processada por Judy Schmidt

http://apod.nasa.gov/apod/image/1502/m100_hubble_4060.jpg

M100 – a galáxia espiral “Grand Design” processada por Judy Schmidt

Majestoso em uma verdadeira escala cósmica, esse “Universo-Ilha” é apropriadamente classificado como uma galáxia espiral do tipo “Grand Design” [1].

Trata-se de uma portentosa galáxia com mais de 100 bilhões de estrelas com braços espirais bem definidos, em estruturas similares as da nossa galáxia Via Láctea, as da galáxia do Cata-Vento (M101) e as encontradas na galáxia do Rodamoinho (M51).
Leia mais »

jun 24

Girassóis em Sagittarius por Andrew Campbell

http://apod.nasa.gov/apod/image/1606/SagTrip_q100_watermark_CopyrightAndys_Astropix2016.jpg

Girassóis em Sagittarius: Nebulosa M8, M20 e Trífida, além do aglomerado estelar M21 – crédito da imagem©: Andrew Campbell

Três brilhantes nebulosas são usualmente observadas através de tours telescópicos na constelação de Sagittarius e os populosos campos estelares do centro da Via Láctea.

De fato, o turista astronômico do século XVIII Charles Messier catalogou duas delas: a M8 (à esquerda do centro da imagem) e a colorida M20 (na parte inferior do quadro). A terceira nebulosa (NGC 6559) está à direita da M8, separada da nebulosa maior por faixas escuras de poeira cósmica.

Leia mais »

jun 24

24 de junho de 1993 – Chile e ESO aprimoram as relações

Não Há Dia Sem História

24 de junho de 1993

Chile e ESO aprimoram as relações

Em 24 de junho de 1993, há 23 anos, quando os grandes telescópios europeus no Chile ainda estavam sendo projetados, o ESO publicou a nota abaixo. Um documento interessante, que traz informações sobre a natureza do diálogo entre a República do Chile e o European Southern Observatory (Observatório Meridional Europeu).

European Southern Observatory

European Southern Observatory

Bandeira do Chile

Bandeira do Chile

As delegações do Governo do Chile e da Organização Internacional do ESO [1] um relatório sobre o resultado das suas discussões sobre a instalação do maior telescópio do mundo “O Grande Telescópio Muito” e “Very Large Telescope Interferometer (VLT / VLTI) em Cerro Paranal (Chile na região II – Antofagasta) e a clarificação das relações futuras entre ESO e Chile. O objetivo destas discussões era uma cooperação mais estreita entre ESO e Chile, para benefício mútuo do país e os oito países membros da União Europeia do ESO.

Leia mais »

jun 23

GRAVITY: Sonda de buraco negro opera agora com os quatro Telescópios Principais do VLT

http://www.eso.org/public/images/eso1622a/

Concepção artística da estrela S2 passando muito perto do buraco negro supermassivo no centro da Via Láctea. A ilustração mostra as órbitas das estrelas em torno do buraco negro supermassivo situado no centro da Via Láctea. Em 2018, uma destas estrelas, chamada S2, passará muito próximo do buraco negro e esse evento dará uma ótima oportunidade de estudar os efeitos da forte gravidade e testar as previsões da teoria da relatividade geral de Einstein em um futuro muito próximo. O instrumento GRAVITY, funcionando no interferômetro do Very Large Telescope do ESO, é a mais poderosa ferramenta que existe para medir as posições da estrela S2, tendo sido testada com sucesso na estrela S2 no verão de 2016. A órbita de S2 está destacada em vermelho e a posição do buraco negro central encontra-se assinalada com uma cruz vermelha. Crédito: ESO/L. Calçada

Uma equipe europeia de astrônomos usou o novo instrumento GRAVITY montado no Very Large Telescope do ESO para obter observações do centro da Via Láctea, combinando pela primeira vez radiação coletada pelos quatro Telescópios Principais de 8,2 metros. Estes resultados já fornecem uma ideia da ciência inovadora que o GRAVITY irá fazer, ao sondar os campos gravitacionais extremamente fortes existentes próximo do buraco negro central supermassivo e ao testar a teoria da relatividade geral de Einstein.

Leia mais »

jun 23

23 de junho de 1960 – Um dia normal, na Guerra Fria

Não Há Dia Sem História

23 de junho de 1960

Um dia normal, na Guerra Fria

Air Force Missile Test Center

No dia 23 de junho de 1960, há 56 anos, às 02h22min de Greenwich um míssil balístico intercontinental de fabricação norte-americana Polaris A1 era lançado na “ETR launch area” para atingir um apogeu de 500 Km. Eastern Test Range, ou apenas ETR, era, em 1960, a denominação dada a área predominantemente marítima que incluía um complexo de lançamentos que iniciava em Cabo Canaveral e se estendia pelo Atlântico, incluindo ilhas e navios de apoio, até a Ilha de Ascensão, situada já no Atlântico Sul. Um lançamento feito da ETR significava quase certamente um disparo feito por submarino.

Leia mais »

Posts mais antigos «